Cidades de Papel | John Green

Margo Roth Spielgelman está no último ano do colegial e não só é a garota mais popular da escola, mas também uma das mais bonitas. Seu vizinho, Quentin Jacobsen, é um adolescente da mesma idade que é o oposto da garota; adora jogar vídeo games, só tem três amigos. Diferente de muitos de seus colegas, ele é tranquilo. Não faz parte do grupo dos populares da escola então praticamente não vai a festas, não mente para os pais ou sai escondido. Entretanto, tudo muda quando sua vizinha entra em seu quarto no meio da noite e o convida para realizar uma vingança.
Ela e Q. eram amigos quando pequenos, mas com o passar dos anos cada um seguiu um caminho diferente. Apesar disso, Q. sempre foi apaixonado por ela. Logo após a noite que passaram juntos realizando uma série de vinganças elaboradas por Margo, a estudante some, deixando algumas pistas de onde deve estar. Quentin fica obcecado em achar a vizinha e começa a seguir os vestígios por ela deixados.

Lendo apenas sobre o que o livro trata, a ideia de John Green é promissora, mas o autor peca em diversos aspectos.
Como bem lembrou o Rafa, "Não se mexe em time que está ganhando" e o autor levou esse ditado popular ao pé da letra. Margo Roth Spielgelman poderia muito bem ser Alasca (personagem principal do primeiro livro de Green, Quem É Você Alasca?). Sim, a Margo passa a impressão de ser muito mais "patricinha" que Alasca. Ainda assim, se ignorarmos os aspectos visuais das duas personagens, podermos facilmente atribuir as ações de uma à outra - isso me irritou durante o livro inteiro.
Outra falha do autor foi a má administração das pistas. No início, os rastros deixados por Margo são facilmente acompanhados pelos leitores. Em determinada pista, contudo, Q. demora tempo demais para decifrá-la, tornando o livro maçante e parado.
O fato de o autor utilizar um poema de 80 páginas como base para essa pista, só piorou o andamento da história. Pelo fato do poema ser grande apenas algumas passagens são citadas, o que acaba confundindo o leitor. Acredito que para o entendimento completo do livro seja necessário ler a poesia por completo.
Esse foi o terceiro livro que li de John Green - sendo os outros Quem É Você Alasca? e A Culpa É Das Estrelas - e a escrita do autor e suas personagens semelhantes me provocaram desconforto durante toda a leitura. Li o livro duas vezes, para ter certeza de minha opinião, e mesmo assim não consegui identificar.

Vale lembrar que esse ano, no dia 16 de julho, estreia o filme baseado no livro. Acredito que, pelo trailer, a parte da pista baseada no poema será cortada, até porque não há como a história ser adaptada para um filme sem a diminuição da mesma.
                   

Beatriz Marques

19 anos, estuda jornalismo. Gosta de muitas coisas e de tudo ao mesmo tempo. Leitora assídua, fangirl 24/7, cosplayer por diversão, orgulhosamente é da Grifinória, filha de Hades e whovian. Algumas das suas paixões são: sua guitarra (apelidada de Emily), cantar, séries, livros, animes, mangás, filmes, HQ's, música, shows e história.

    Comentários do Blogger
    Comentários do Facebook

11 comentários:

  1. Eu li em busca de um suspense, um mistério com um final surpreendente...Mas não... Eu gostei muito da história ao todo, mas o final deixou a desejar um pouco, pois não me surpreendeu, por outro lado, mostra que a vida não é um conto de fadas, com finais felize etc..

    ResponderExcluir
  2. eu li esse livro e ele é tão... slá coisado '-' , não vi nada de interessante no livro só foi ficando mais chato ao decorrer da história

    ResponderExcluir
  3. Com o trailer do filme fiquei animada para ler o livro, mas depois de ler a sua resenha minha vontade caiu consideravelmente. Eu li Quem é você, Alasca? e a Culpa é das Estrelas, não achei leituras excepcionais como todo mundo, mas são boas ao seu modo. Como não gosto de ver o filme sem antes ler o livro, com certeza acabarei lendo o livro. Obrigada pela resenha.

    ResponderExcluir
  4. Na verdade eu achei o livro meio confuso, e estranho. Mas nao achei ruim não... Hahaha

    ResponderExcluir
  5. É um livro bom, só que metade dos livros eles estão olhando o poema , fazendo ele ficar chato no decorrer. Mas não consideraria ruim bom ou regular é uma nota apropriada.

    ResponderExcluir
  6. Achei morgadaço! Ainda mais o trailer do filme! Do John Green só li metade de a culpa é das estrelas e gostei, mas até hoje não li o resto porque dei o livro huehue e Li o Quem é você, Alaska? que muita gente odeia, muita gente ama e sou do time que ama! haha

    ResponderExcluir
  7. Eu tentei ler o livro no começo de março, não consegui terminar a parte 1! Achei muito parado, mas vou tentar terminar de ler só pra ver o filme.
    Muito boa a resenha!

    ResponderExcluir
  8. Oi Beatriz,
    Eu entendo que você não tenha gostado, mas comparar um livro com outro durante uma leitura não é muito bom. Eu amei o livro, infelizmente você não gostou, mas, quem sabe você não aproveita mais a leitura em uma outra oportunidade.
    Beijos! <3

    ResponderExcluir
  9. Vish, agora que eu não quero ler mesmo. li a culpa é das estrelas, pouco antes de lançar o filme e gostei, só não achei tudo aquilo que o povo falava, embora tenha amado o livro. Ai li o quem é você alasca? e não gostei. Ai você me da mais motivos pra não querer ler este outro. Acho que vou passar.

    ResponderExcluir
  10. Eu vi muitos comentários bons sobre o livro, por isso fiquei bastante interessado. Além disso, o trailer também me deixou bem empolgado para começar a leitura. Adorei o seu ponto de vista, pois sempre é bom ver que tem alguém analisando de outra forma!

    ResponderExcluir
  11. Nem foi surpresa você ter avaliado como ruim... Muitos amigos meus me contaram que o livro é bem chato. Ei John Green, você ta perdendo pontos comigo!

    ResponderExcluir